Ainda há perfumes

Colegas e colegos, Minha poesia "Ainda há perfumes" foi publicada na antologia Doces Poemas, da revista literária digital InVersos. Meu soneto foi selecionado, entre autores nacionais e internacionais já publicados, na classificação dos vinte primeiros. Além da edição, os poemas selecionados foram distribuídos juntos com doces no Colégio Estadual Edgar Santos - Feira de Santana-BA... Continuar Lendo →

Anúncios

Sou simples

Não morri. Sabem que, meus caros e caras, há tempos eu não posto meus textos. Tenho me dedicado aos assuntos acadêmicos muito mais que à escrita. O TCC vem este ano; então, procrastinar este fardo o fará meia-boca. O corre-corre diário vem se constituindo de: estágio, leituras, pesquisas, leituras e pesquisas; e, olhe lá, quando sobra... Continuar Lendo →

O desfecho de Flávia Albuquerque | CAPÍTULO IV

◈ Capítulo anterior IV Sextou! Santa sexta. Fomos sexta. Para evitar transtornos, pedi para que ele sugerisse um lugar próximo à casa dele; de São Paulo, mesmo. Fomos a um bar estiloso no bairro de São Mateus. O Portal do Vinho é de melhor referência. Conforto, tranquilidade, e cortesia são suas primícias. Na entrada, se... Continuar Lendo →

O desfecho de Flávia Albuquerque | CAPÍTULO II

◈ Capítulo anterior II Aconchego   O delírio esvaiu-se de mim. Longe do abismo, meu corpo estava suspenso por um leito de plumas. Os sentidos voltaram. Braços contidos de calor desafogavam minha carne. Olhei, e minha visão devagar; com ângulo para o leste, vi a estrela da manhã. Os olhos verdes do colosso contrastavam com... Continuar Lendo →

O desfecho de Flávia Albuquerque | CAPÍTULO I

Meus caros, Como um escritor amador, busco peregrinar aos mais diversos mundos das letras; seja nos estilos, gêneros, técnicas, formas, linguísticas, meios, observações, etc. a fim de desvendar novas aptidões através dos mares da expressão. Vou criar um projeto. Na verdade, um autoteste. Então, na edição de vários contos com perspectivas variadas; poderei dar a... Continuar Lendo →

Soneto amigo (XI)

Amigo — mais que um alicerce eterno;Mais que um anfitrião dos bons momentos;Real conselheiro para os lamentos;Presente celeste — brilho fraterno. Tempo ruim? Não se abala; nem no invernoAos perrengues, na ajuda sempre atentoA todo tempo; junto até em débito;Sem troco ou troca — sem céu e sem inferno. Amigo pode ser pai, mãe, tio,... Continuar Lendo →

Soneto X

Acende, princesa do sol nascente, A doce vela dos gentis momentos Para que nossa essência transparente Se torne imortal neste meu intento. Teus olhares perfurantes que me ferve;O sabor do teu toque que enlouquece;A graça da tua voz faz-me' um BOM-Werther— Fantasiado, num eu' que apetece!Em paz de espírito sinto em teu leito.Nas brandas nuvens... Continuar Lendo →

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑